Muro que hoje separa
os homens
em passado e futuro,
que divide, agora,
o coração em dois: em oriente
e ocidente.
Divide o sol em dois:
em dois mistérios.
Divide o mundo em dois:
em dois hemisférios.
Ou em dois cemitérios?

No labirinto
do desentendimento humano
o anjo rebelde
se debate em busca
de uma saída.
E ao mesmo tempo, é expulso
de uma cor para outra,
deixando os pés escritos
em areia e neve,
na rude geografia
das injustiças.

(Só a dor e as estrelas
são universais).

Mas como destruí-lo?
Com as velhas trombetas
de Jericó,
já douradas de pó?
Recolocando, no ar,
em seu lugar, agora
o novo arco celeste
de uma ponte pênsil?

Ou com a lira em flor
que Anfião tocou em Tebas?
Anfião, a quem possam
as pedras transformar-se,
de novo, em pássaros?

Ou com o sol de hidrogênio
e só pelo consolo
de morrermos, todos,
todos, ao mesmo tempo -
e, assim, um ser irmão
do outro, por prêmio?

Ah! o herói obscuro
a quem - todos - pudéssemos,
os que sofremos dentro
e fora do muro:
de um só mal, todos presa,
ofertar, toda em ouro,
a coroa mural.

Igual à que os romanos,
num afresco antigo,
estão oferecendo,
sob um céu de turquesa,
ao primeiro soldado
que escalou a muralha
de uma fortaleza.

O dia é geográfico.
A noite é universal.
Mas, se Deus ouvir rádio,
esteja onde estiver,
ouvirá o meu grito:
por que a noite nos une
e o dia nos separa?


Leia poesias clássicas, descubra novos poetas e publique suas próprias poesias grátis!

Pesquise por assunto...