Vênus, deusa imortal da formosura,
quando surgiu do glauco sorvedouro
trazia às pontas do cabelo louro
pérolas d’água cristalina e pura,

mas do oceano de amor, que bate a escura
prisão dest’alma, que de sonhos douro,
se — desprezando-o como vil tesouro —
surgisses, nua, em deslumbrante alvura

— bem certamente nos anéis dos soltos, 
longos cabelos negros e revoltos,
onde brinca ditoso o meu desejo,

tu não terias d’água leves bagas...
— Surgirias trazendo dessas vagas
em caia fio pendurado una beijo!