Por onde quer que, seguindo,
trilhes da vida os caminhos,
ninguém te verá sentindo
como os meus — outros carinhos!

Cerquem teu rosto tão puro
de longos beijos secretos,
não terás mais — eu te juro —
como os meus — outros afetos!

Forrem-te os passos mimosos
de gozos, sonhos e flores,
não terás tão deliciosos
como os meus — outros amores!

Cinjam-te embora, trementes,
novos amantes nos braços,
não sentirás tão ardentes,
como os meus — outros abraços!

Eu, porém... Eu, nas sombrias
horas de loucos desejos,
não sentirei nos meus dias,
como os teus — os outros beijos!