Noite de Unção e Páscoa — redolente —
Branca, de branco a Esfera amortalhando,
Pelo pó das Estradas polvilhando
Farinha d'Hóstia de um Luar crescente.

Rumor de velos noivos se esgarçando
E dessa alvura e palidez doente,
Surges esbaça, leve e transparente
D'Alva de linho do Luar se alando.

Vens da velhice das Alturas francas
E a Terra casta em tua Glória incensa.
Exalos alvos de Saudades brancas.

E sobre o Mundo pávido, enfadonho,
Farolas d'alto — em nívea réstia extensa —
A Nebulosa trêmula de um Sonho.