Em cruz por sobre o peito os alvos braços.
Sangrando a Carne, a cabeleira solta,
Caminhas triunfal pelos Espaços
Nas longas Alvas do Martírio envolta.

Sobes da Terra! Em grita e desenvolta
Clama a Teus Pés a turba dos devassos
E freme em leve oscilarão revolta
A Luz honesta que te aclara os passos.

Surgem muralhas e muralhas tombam,
Rebenta a Guerra era torno a Ti rugindo,
Teus frágeis pulsos os grilhões arrombam.

Sobes em Glória imaculada, exangue,
Ungindo a Vida e os Corações ungindo
Dos Santos-Óleos do teu próprio Sangue.