O violoncelista estava a meio do Converto de Schumann
Subitamente o coronel ficou transportado e começou a gritar: 
- Je vois des anges! Je vois des anges! 
- E deixou-se escorregar sentado pela escada abaixo.
O telefone tilintou.
Alguém chamava?... Alguém pedia socorro?...
Mas do outro lado não vinha senão o rumor de um pranto desesperado!...
(Eram três horas.
Todas as agências postais estavam fechadas.
Dentro da noite a voz do coronel continuava a gritas: - Je
[vois des anges! Je vois des anges!)