(Luís Guimarães)

Na primeira página do livro Sonetos e Rimas

Como vedes, deixo
O vosso canto, e o meu juízo escrito... 
Diogo Bernardes — Égloga

Ó minha doce amiga, abre-me o seio,
Onde eu pouse um momento a minha fronte,
Enquanto o livro, que já li, releio
Escrito em grandes letras no horizonte:

De ondas de ouro e de luz murmura cheio,
E as carícias, que tem, não há quem conte,
Torna a mulher na terra um céu, eu creio,
Bem como o sol torna esmeralda um monte.

Aos pés de um ente angélico e bondoso,
Não sentes tu, no próprio amor, o esposo
Beber a glória em rica taça ideal?...

Este teve a mulher, que o emparaísa,
Que a alma grande do poeta enfim precisa,
Como tem fome de água e relva o areal...