E, come a buon cantor, buon citarista
Fa seguitar lo guizzo della corda
In che più de piacer lo canto acquista.
Dante — Paradiso.

Ouçamo-lo cantar. — No mês das flores
A voz gentil tem matinal frescura:
O dia em cada idílio se pendura,
Dão-lhe as aves e os sóis luz e rumores.

Morde-lhe a aurora a lúbrica pintura;
Tempera a sombra as cruas, rubras cores:
Nera, rompendo o anel da miniatura,
Sai nua a rir, e corre aos gladiares.

Passa casta visão de noiva: — à festa
Lança idílios a luz; e um deus sereno
Acende a tenda azul sobre Modesta;

E ao herói Manchego no trespasse resta
Aquela ameaça, aquele eterno aceno
Com que morto e indignado inda protesta.