Nestes jardins que o Paraíso abarca,
Do homem Adão, primeiro patriarca,
Há de gerar-se nova criatura
Duma composição perfeita e pura:
Eva, a mulher sempre amorosa e branda,
Que obedece ao consorte com quem anda
E, delicada e débil, casta e honesta,
Menos força e mais graça manifesta
E, sendo semelhante e diferente,
As mesmas coisas doutro modo sente. 
Esta há de ser aquela que se ufana
Duma Filha serena e soberana,
Luz e esplendor do céu, do mar, da terra
E de quanto o universo guarda e encerra,
Que, assim como da aurora nasce o dia,
D'Eva também há de nascer Maria.