Faltem-me embora para o noviciado
Deste amor que conforta e regenera,
Todas as inocências, todo alado
Bando de sonhos que a inocência gera.

Faltem-me e eu venha já, velho e cansado
Velha lenda que veio, de era em era,
Perdendo o brilho, e entre o templo sagrado
Do teu amor empós uma quimera.

Entre — que importa! encontrarei um teto
E o agasalho das Santas Escrituras,
— Peregrino do amor, pagão do afeto.

E o batismo terei para quem ama.
— Amplo Jordão de águas claras e puras —
Água lustrai que o teu olhar derrama.