MINHA vida bela,
Minha vida bela,
nada mais adianta
si não há janela
para a voz que canta...

Preparei um verso
com a melhor medida:
rôsto do universo,
bôca da minha vida.

Ah! mas nada adianta,
olhos de luar,
quando se planta
hera no mar,

nem quando se inventa
um colar sem fio,
ou se experimenta
abraçar um rio...

Alucinação
da cabeça tonta!

Tudo se desmonta
em côres e vento
e velocidade.
Tudo: coração,
olhos de luar,
noites de saüdade.

Aprendi comigo.
Por isso, te digo,
minha vida bela,
nada mais adianta,
si não há janela
para a voz que canta...