TU ÉS como o rôsto das rosas:
diferente em cada pétala.

Onde estava o teu perfume? Ninguém soube.
Teu lábio sorriu para todos os ventos
e o mundo inteiro ficou feliz.

Eu, só eu, encontrei a gota de orvalho que te alimentava,
como um segrêdo que cai do sonho.

Depois, abri as mãos, — e perdeu-se.

Agora, creio que vou morrer.