Vinicius de Moraes
Sente como vibra Doidamente em nós Um vento feroz Estorcendo a fibra Dos caules informes E as plantas carnívoras De bocas enormes Lutam contra as víboras E os rios soturnos Ouve como vazam A água corr...
Por seres quem me fôste, grave e pura Em tão doce surpresa conquistada Por seres uma branca criatura De uma brancura de manhã raiada Por seres de uma rara formosura Mau grado a vida dura e atormentada...
De manhã escureço De dia tardo De tarde anoiteço De noite ardo. A oeste a morte Contra quem vivo Do sul cativo O este é meu norte. Outros que contem Passo por passo : Eu morro ontem Nasço amanhã Ando...
Aqui jaz o Sol Que criou a aurora E deu luz ao dia E apascentou a tarde. O mágico pastor De mãos luminosas Que fecundou as rosas E as despetalou. Aqui jaz o Sol O andrógino meigo E violento, que Possu...
Mais um ano na estrada percorrida Vem, como o astro matinal, que a adora Molhar de puras lágrimas de aurora A morna rosa escura e apetecida. E da fragrante tepidez sonora No recesso, como ávida ferida...
Uma lua no céu apareceu Cheia e branca; foi quando, emocionada A mulher a meu lado estremeceu E se entregou sem que eu dissesse nada. Larguei-as pela jovem madrugada Ambas cheias e brancas e sem véu P...
Essa mulher que se arremessa, fria E lúbrica aos meus braços, e nos seios Me arrebata e me beija e balbucia Versos, votos de amor e nomes feios Essa mulher, flor de melancolia Que se ri dos meus pálid...
Que angústia estar sozinho na tristeza E na prece! que angústia estar sozinho Imensamente, na inocência ! acesa A noite, em brancas trevas o caminho Da vida, e a solidão do borborinho Unindo as almas...
Depois foi só. O amor era mais nada Sentiu-se pobre e triste como Job Um cão veio lamber-lhe a mão na estrada Espantado parou. Depois foi só. Depois veio a poesia ensimesmada Em espelhos. Sofreu de fa...
Inverno, doce inverno das manhãs Translúcidas, tardias e distantes Propício ao sentimento das irmãs E ao mistério da carne das amantes Quem és, que transfiguras as maçãs Em iluminações dessemelhantes...
Poeta, um pouco à tua maneira E para distrair o spleen Que estou sentindo vir a mim Em sua ronda costumeira Folheando-te, reencontra a rara Delícia de me deparar Com tua sordidez preclara Na velha fot...
Distante o meu amor, se me afigura O amor como um patético tormento Pensar nele é morrer de desventura Não pensar é matar meu pensamento. Seu mais doce desejo se amargura Todo o instante perdido é um...
Nas tardes da fazenda há muito azul de mais. Eu saio às vezes, sigo pelo pasto, agora Mastigando um capim, o peito nu de fora No pijama irreal de há três anos atrás. Desço o rio no vau dos pequenos ca...
Pelas auroras imobilizadas No instante anterior; pelos gerais Milagres da matéria; pela paz Da matéria ; pelas transfiguradas Faces da História; pelo conteúdo Da História e em nome de seus grandes ido...
Nascentes efêmeras Em clareiras súbitas Entre as luzes tardas Do imenso crepúsculo. Negros megalitos Em doce decúbito Sob o peso frágil Da pálida abóbada. Calmo, subjacente O vale infinito A estender-...
De tanta graça e de leveza tanta Que quando sobre mim, como a teu jeito Eu tão de leve sinto-te no peito Que o meu próprio suspiro te levanta. Tu, contra quem me esbato liqüefeito Rocha branca! brancu...
Passem-se dias, horas, meses, anos Amadureçam as ilusões da vida Prossiga ela sempre dividida Entre compensações e desenganos Faça-se a carne mais envilecida Diminuam os bens, cresçam os danos Vença o...
Inelutàvelmente tu Rosa sobre o passeio Branca! e a melancolia Na tarde do seio. As cássias escorrem Seu ouro a teus pés Conheço o soneto Porém tu quem és ? O madrigal se escreve : Se é do teu costume...
Por que tens, por que tens olhos escuros E mãos lânguidas, loucas, e sem fim Quem és, que és tu, não eu, e estás em mim Impuro, como o bem que está nos puros ? Que paixão fêz-te os lábios tão maduros...
Quando chegares e eu te vir chorando De tanto te esperar, que te direi ? E da angústia de amar-te, te esperando Reencontrada, como te amarei? Que beijo teu de lágrimas terei Para esquecer o que vivi l...
I Mas o instante passou. A carne nova Sente a primeira fibra enrijecer E o seu sonho infinito de morrer Passa a caber no berço de uma cova. Outra carne virá. A primavera É carne, o amor é seiva eterna...
O sol, que pelas ruas da cidade Revela as marcas do viver humano Sobre teu belo rosto soberano Espalha apenas pura claridade. Nasceste para o sol; és mocidade Em plena floração, fruto sem dano Rosa qu...
São demais os perigos desta vida Para quem tem paixão, principalmente Quando uma lua chega de repente E se deixa no céu, como esquecida. E se ao luar que atua desvairado Vem se unir uma música qualque...
Oh rosa que raivosa Assim carmesim Quem te fêz zelosa O carme tão ruim ? Que anjo ou que pássaro Roubou tua côr Que ventos passaram Sobre o teu pudor Coisa milagrosa De rosa de mate De bom para mim Ro...
Maior amor nem mais estranho existe Que o meu, que não sossega a coisa amada E quando a sente alegre, fica triste E se a vê descontente, dá risada. E que só fica em paz se lhe resiste O amado coração,...
De repente do riso fêz-se o pranto Silencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fêz-se a espuma E das mãos espalmadas fêz-se o espanto. De repente da calma fêz-se o vento Que dos olhos desfez a...
De tudo, ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei...
Eu te amo, Maria, te amo tanto Que o meu peito me dói como em doença E quanto mais me seja a dor intensa Mais cresce na minha alma teu encanto. Como a criança que vagueia o canto Ante o mistério da am...
Como de cera E por acaso Fria no vaso A entardecer A pêra é um pomo Em holocausto À vida, como Um seio exausto Entre bananas Supervenientes E maçãs lhanas Rubras, contentes A pobre pêra : Quem manda s...
Não te vira cantar sem voz, chorar Sem lágrimas, e lágrimas e estrelas Desencantar, e mudo recolhê-las Para lançá-las fulgurando ao mar ? Não te vira no bojo secular Das praias, desmaiar de êxtase nel...
Amo-te tanto, meu amor... não cante O humano coração com mais verdade.. Amo-te como amigo e como amante Numa sempre diversa realidade Amo-te afim, de um calmo amor prestante E te amo além, presente na...
Tu me levaste, eu fui. . . Na treva, ousados Amamos, vagamente surpreendidos Pelo ardor com que estávamos unidos Nós que andávamos sempre separados. Espantei-me, confesso-te, dos brados Com que enchi...
Feito só, sua máscara paterna Sua máscara tosca, de acridoce, Feição, sua máscara austerizou-se Numa preclara decisão eterna. Feito só, feito pó, desencantou-se Nele o íntimo arcanjo, a chama interna...
O teu perfume, amada! — em tua cartas Renasce, azul... — são tuas mãos sentidas ! Relembro-as brancas, leves, fenecidas Pendendo ao longo de corolas fartas. Relembro-as, vou... — nas terras percorrida...