Mário Quintana

Um cartaz luminoso ri no ar. Ó noite, ó minha nêga toda acesa de letreiros!... Pena é que a gente saiba ler... Senão tu serias de uma beleza única inteiramente feita para o amor dos nossos olhos.
Amenina dança sozinha por um momento. Amenina dança sozinha com o vento, com o ar, com o sonho de olhos imensos... A forma grácil de suas pernas ele é que as plasma, o seu par de ar de vento, o seu pa...
Que límpido o cristal de abril!... Um grito não vai como os da noite — para os extramundos... Todas as vozes, todas as palavras ditas — cigarras presas dentro do globo azul — vão em redor do mundo e a...
I Nossos gestos eram simples e transcendentais. Não dissemos nada nada de mais... Mas a tarde ficou transfigurada — como se Deus houvesse mudado imperceptivelmente um invisível cenário. II Eu te amo t...
Não, não é uma série de pontos de exclamação — é uma avenida de álamos... E o que, e para quem, clamariam então?! Deserta está a cidade. Todas as avenidas, todas as ruas, todas as estradas atônitas se...
Eu fiz um poema belo e alto como um girassol de Van Gogh como um copo de chope sobre o mármore de um bar que um raio de sol atravessa eu fiz um poema belo como um vitral claro como um adro... Agora nã...
Os olhos mais verdes Que as ondas amargas Um dia viremos Com barcos e remos Um dia... Dorme, filhinha... São vozes, são vento, são nada...
Esse embalo das ondas Das ondas do mar Não é um embalo Para te ninar... O mar é embalado Pelos afogados! O canto do vento Do vento no mar Não é um canto Para te ninar... São eles que tentam Que tentam...
Há um grande silêncio que está sempre à escuta... E a gente se põe a dizer inquietamente qualquer coisa, qualquer coisa, seja o que for, desde a corriqueira dúvida sobre se chove ou não chove hoje até...
Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês. Quando fechas o livro, eles alçam voo como de um alçapão. Eles não têm pouso nem porto alimentam-se um instante em cada...
Load more...