Castro Alves
Eu, Que a pobreza de meus pobres cantos Dei aos heróis—aos miseráveis grandes—, Eu, que sou cego, —mas só peço luzes... Que sou pequeno, — mas só fito os Andes.... Canto nest'hora, como o bardo antigo...
São duas flores unidas, São duas rosas nascidas Talvez no mesmo arrebol, Vivendo no mesmo galho, Da mesma gota de orvalho, Do mesmo raio de sol. Unidas, bem como as penas Das duas asas pequenas De um...
Choro por ver que os dias passam breves E te esqueces de mim quando tu fores Como as brisas que passam doudas, leves, E não tornam atrás a ver as flores. TEÓFILO BRAGA Onde vais estrangeiro! Por que d...
Apomba d'aliança o vôo espraia Na superfície azul do mar imenso, Rente... rente da espuma já desmaia Medindo a curva do horizonte extenso... Mas um disco se avista ao longe... A praia Rasga nitente o...
Ai! nenhum mago da Caldéia sábia A dor abrandará que me devora. F. VARELA Tenho saudades das cidades vastas, Dos ínvios cerros, do ambiente azul... Tenho saudades dos cerúleos mares Das belas filhas d...
LEMBRANÇA DE UMA NOITE NO MAR Sens-tu mon coeur, comme U palpite? Le tien comme il battait gaiement! Je m'en vais pourtant, ma petite, Bien loin, bien vite, Toujours t'aimant. (Chanson ) Inês! nas ter...
A vez primeira que eu fitei Teresa, Como as plantas que arrasta a correnteza, A valsa nos levou nos giros seus... E amamos juntos... E depois na sala "Adeus" eu disse-lhe a tremer co'a fala... E ela,...
AO PADRE FRANCISCO DE PAULA C'est que já suis frappé du doute C'est que l'étoile de Ia foi N'éclaire plus ma noire route: Tout est abime autour de moil LA MORVONNAIS Senhor! A noite é brava... a praia...
A. L. O sândalo é o perfume das mulheres de Estambul, e das huris do profeta; como as borboletas, que se alimentam do mel, a mulher do Oriente vive com as gatas dessa essência divina. J DE ALENCAR O p...
Orgulho! desce os olhos dos céus sobre ti mesmo, e vê como os nomes mais poderosos vão se refugiar numa canção. BYRON. — Quem bate? —"A noite é sombrio!" —Quem bate?—"É rijo o tufão!... Não ouvis? a v...
A ATRIZ EUGÊNIA CÂMARA Um dia em que na terra a sós vagava Pela estrada sombria da existência, Sem rosas—nos vergéis da adolescência, Sem luz d'estrela—pelo céu do amor; Senti as asas de um arcanjo er...
(Recitada no Teatro de S. Paulo) Era no dous de julho. A pugna imensa Travara-se nos cerros da Bahia... O anjo da morte pálido cosia Uma vasta mortalha em Pirajá. "Neste lençol tão largo, tão extenso,...
Na cordilheira altíssima dos Andes Os Chimbolazos solitários, grandes Ardem naquelas hibernais regiões. Ruge embalde c fumega a solfatera... É dos lábios sangrentos da cratera Que a avalanche vacila a...
Veux-tu donc partir? Le jour est encore éloigné C'était le rossignol et non pas l'aloustte Dont le chant a frappé ton oreille inquiete; Il chante la nuit sur les branches de ce grenadier, Crois-moi, c...
Sobre uma página de poesia de V. Hugo com o mesmo título Quando à noite — às horas mortas — O silêncio e a solidão —Sob o dossel do infinito— Dormem do mar n'amplidão, Vê-se, por cima dos mares, Rasga...
Eu morro, eu morro. A matutina brisa Já não me arranca um riso. A rósea tarde Já não me doura as descoradas faces Que gélidas se encovam. JUNQUEIRA FREIRE Quando eu morrer... não lancem meu cadáver No...
AO POETA E AMIGO J. FELIZARDO JÚNIOR Sabes quem foi Ahasverus?. .. —o precito, O mísero Judeu, que tinha escrito Na fronte o selo atroz! Eterno viajor de eterna senda... Espantado a fugir de tenda em...
Olha-me, ó virgem, a fronte! Olha-me os olhos sem luz! A palidez do infortúnio Por minhas faces transluz: Olha, ó virgem — não te iludas — Eu só tenho a lira e a cruz. JUNQUEIRA FREIRE tarde! É muito...
Sonha, poeta, sonha! Aqui sentado No tosco assento da janela antiga, Apóias sobre a mão a face pálida, Sorrindo —dos amores à cantiga. ÁLVARES DE AZEVEDO Era uma tarde triste, mas límpida e suave... E...
(NO DIA DE SEU NATALÍCIO) A imaginação, com O VOO ousado aspira a princípio à eternidade... Depois um pequeno espaço basta em breve para os destroços de nossas esperanças iludidas! . . GOETHE Como um...
FOTOGRAFIAS I Quando a insônia, qual lívido vampiro, Como o arcanjo da guarda do Sepulcro, Vela à noite por nós, E banha-se em suor o travesseiro E além geme nas franças do pinheiro Da brisa a longa v...
Aime et tu renaítras fais-toi fleur pour éclore, Après avoir soufferi, il faul souffrir encore; Il faut aimer sans cesse après avoir aimé. A. DE MUSSET AI! Não maldigas minha fronte pálida, E o peito...
Luís C. Amoedo Nos tempos idos... O alabastro, o mármore Reveste as formas desnuadas, mádidas De Vênus ou Friné. Nem um véu p'ra ocultar o seio trêmulo, Nem um tirso a velar a coxa pálida... O olhar n...
Écoute! tout se tait; songe à ta bien-aimée Ce soir, sous les tilleuls, à la sombre ramée, Le rayon du couchant laisse un adieu plus doux, Ce soir, tout va fleurir: I'irnmortelle nature Se remplit de...
(Recitada no Teatro S. João) É a hora das epopéias, Das Ilíadas reais. Ruge o vento—do passado Pelos mares sepulcrais. É a hora, em que a Eternidade Dialoga a Imortalidade... Fala o herói com Jeová!.....
Sonhava nesta geração bastarda Glórias e liberdade!....... Era um leão sangrento, que rugia Da glória nos clarins se embriagava, E vossa gente pálida recuava, Quando ele aparecia. ÁLVARES DE AZEVEDO...
DIÁLOGO Na torrente caudal de seus cabelos negros Alegre eu embarquei da vida a rubra flor. —Poeta! Eras o Doge o anel lançando às ondas . . . Ao fundo de um abismo... arremessaste c amor. Depois minh...
(NO SEU BENEFÍCIO) Branco cisne que vagavas Das harmonias no mar, Pomba errante de outros climas. Vieste aos cerros pousar. Inda bem. Sob os palmares Na voz do condor, dos mares, Das serranias, dos cé...
AO GRÊMIO LITERÁRIO Talhado para as grandezas, P'ra crescer, criar, subir, O Novo Mundo nos músculos Sente a seiva do porvir. —Estatuário de colossos — Cansado doutros esboços Disse um dia Jeová: "Vai...
E porto avisto o porto Imermo, nebuloso, o sempre noite Cahmado—Eternidade. — Laurindo. Lasciate ogni speranza, voi ch'entrate. Dante. Oh! Eu quero viver, beber perfumes Na flor silvestre, que embalsa...
(Traduzido de BYRON) Não recues! De mim não foi-se o espírito... Em mim verás— pobre caveira fria — Único crânio que, ao invés dos vivos, Só derrama alegria. Vivi! amei! bebi qual tu: Na morte Arranca...
Pensava em ti nas horas de tristeza, Quando estes versos pálidos compus Cercavam-me planícies sem beleza Pesava-me na fronte um céu sem luz. Ergue este ramo solto no caminho. Sei que em teu seio asilo...
Ses longs cheveux épars la couvrent tout entière La croix de son collier repose dans sa main, Comme pour témaigner qu'elle a fait sa prière. Et qu'elle va la faire en s'éveiliant demain. A DE MUSSET U...
(NO álbum da Ex.ma Sr.a D. MARIA JUSTINA PROENÇA PEREIRA PEIXOTO) I Senhora! A Poesia outrora era a Estrangeira, Pálida, aventureira, errante a viajar, Batendo em duas portas — ao grito das procelas —...
O Coração é o colibri dourado Das veigas puras do jardim do céu. Um—tem o mel da granadilha agreste, Bebe os perfumes, que a bonina deu. O outro—voa em mais virentes balças, Pousa de um riso na rubent...
A MELO MORAIS Dieu parle dans le calme plus haur que dans la tempête. MICKIEWIKCZ Deus nobis haec otia fecit. VÍRGILIO Amigo! O campo é o ninho do poeta... Deus fala, quando a turba está quieta, As ca...
I Minh'alma é como a fronte sonhadora Do louco bardo, que Ferrara chora... Sou Tasso!... a primavera de teus risos De minha vida as solidões enflora... Longe de ti eu bebo os teus perfumes, Sigo na te...
(SÉCULO XIII) Ó mes frères, je viens vous apporter mon Dieu, Je viens vous apporter ma tête! V. HUGO (Chatiments) Quando o vento da Fé soprava Europa, Como o tufão, que impele ao ar a tropa Das águias...
(Tradução de v. HUGO) A REGUEIRA COSTA A águia é o gênio... Da tormenta o pássaro, Que do monte arremete altivo píncaro, Qu'ergue um grito aos fulgores do arrebol, Cuja garra jamais se pela em lodo, E...
Sibila lambebant linguis vibranlibas ora. VIRGÍLIO Resvala em fogo o sol dos montes sobre a espalda, E lustra o dorso nu da índia americana... Na selva zumbe entanto o inseto de esmeralda, E pousa o c...
Ó Sono !ó noivo pálido Das noites perfumosas, Que um chão de nebulosas Trilhas pela amplidão! Em vez de verdes pâmpanos, Na branca fronte enrolas As lânguidas papoulas, Que agita a viração. Nas horas...
(Tradução do espanhol, de LOZANO) Águia das solidões!. . . Ninho atrevido Foram-te as borrascosas tempestades, Flamígero cometa suspendido Sobre o céu infinito das idades. Tu que, no lago intérmino do...
(Traduzido de LORD BYROM) A meu amigo, o DR. FRANCO MEIRELES, inspirado tradutor das "Melodias Hebraicas". Tive um sonho que em tudo não foi sonho! O sol brilhante se apagava: e os astros, Do eterno e...
É preciso partir! Já na calçada Retinem. as esporas do arrieiro; Da mula a ferradura tacheada Impaciente chama o cavaleiro; A espaços ensaiando uma toada Sincha as bestas o lépido tropeiro... Soa a ce...
Flos campi et lilium convallium (Cântico dos Cânticos) Pomba d'esp'rança sobre um mar d'escolhos! Lírio do vale oriental, brilhante! Estrela vésper do pastor errante! Ramo de murta a recender cheirosa...
BARCAROLA DAMA-NEGRA Teus olhos são negros, negros, Como as noites sem luar... São ardentes, são profundos, Como o negrume do mar; Sobre o barco dos amores, Da vida boiando à flor, Douram teus olhos a...
(Traduzido de E. BERTHOUD) É Noite! as sombras correm nebulosas. Vão três pálidas virgens silenciosas Através da procela irrequieta. Vão três pálidas virgens... vão sombrias Rindo colar num beijo as b...
(RECITATIVO DA MEIA HORA DE CINISMO COMÉDIA DE COSTUMES ACADÊMICOS Música de EMILIO DO LAGO Que noite fria! Na deserta rua Tremem de medo os lampiões sombrios. Densa garoa faz fumar a lua, Ladram de t...
Fair defect of nature. MILTON (Paradise Lost) Foi Desgraça meu Deus!... Não!... Foi loucura Pedir seiba de vida—à sepultura, Em gelo — me abrasar, Pedir amores —a Marco sem brio, E a rebolcar-me em le...
É meia-noite. . . e rugindo Passa triste a ventania, Como um verbo de desgraça, Como um grito de agonia. E eu digo ao vento, que passa Por meus cabelos fugaz: "Vento frio do deserto, Onde ela está? Lo...
Não sabes crianças? 'Stou louco de amores... Prendi meus afetos, formosa Pepita. Mas onde? No templo, no espaço, nas névoas?! Não rias, prendi-me Num laço de fita. Na selva sombria de tuas madeixas, N...
L'ieu soit en aide au pieux pèlerin. BOUCHARD Partes amigo do teu antro de águias, Onde gerava um pensamento enorme, Tingindo as asas no levante rubro, Quando nos vales inda a sombra dorme... Na front...
Um dia Pigmalião — o estatuário Da oficina no tosco santuário Pôs-se a pedra a talhar... Surgem contornos lânguidos, amenos... E dos flocos de mármore outra Vênus Surge dest'outro mar. De orgulho o me...