Adélia Josefina Fonseca
(À Angelina) O que te diz, doce amiga, O que te diz essa estrela, Que em tuas longas vigílias Sempre te ri, meiga e bela? Essa estrela que, mimosa, No firmamento fulgura; Em que fitas meigos olhos, Re...
(Num álbum) Num semblante peregrino Dois olhos castanhos vi, Tão ternos, tão matadores, Outros jamais conheci. Do sol ardente não tinham O deslumbrante fulgor: Mas, como a serena lua, Moitas falavam d...
I A lira, já condenada, Talvez, a silêncio eterno, Hoje desperta, animada Da pátria ao grito materno. Se jazia adormecida, Não tinha perdido a vida, Podia ainda acordar; Firme o coração, que outrora D...
O sopro fagueiro de brisa macia Teu barco movia, Teu barco impelia Para longe de mim; E eu, enquanto ele levar-se deixava, Sozinha chorava, Sozinha acusava Meu fado ruim. Chorava, porque partias Para...
A briste em fresca manhã N o meio das outras flores, G entil florinha louça, E xtasiando os amores... L írio do céu, que viés te I ncensar o mundo meu, N o puro seio trouxeste A lmos prazeres do teu!
Eu a vi, mas passando apressada, Qual meteoro brilhante a luzir; Eu a vi, e estampada em minha alma Se ficou para enquanto existir. A. F. Colim. Eras tu, eras tu, que eu sonhava... A. Herculano. Houve...
(No seu desposório) Anjo querido, que o pranto Tantas vezes me enxugaste, Tu, que de amarga saudade O negro fel me adoçaste, E seus agudos espinhos Menos pungentes tornaste; Tu, de quem a voz maviosa...
(No seu álbum) Da pátria o gemido triste, Quando tu, virgem, ouviste, Na minha lira sentiste Tanta dor repercutir, Que, vendo-a chorar magoada Sua terra nãovingada, A julgaste despertada Para nunca ma...
(Glosa improvisada) MOTE Ou são quatro as belas graças, Ou Francina uma das três. Tu, Francina, que ultrapassas Qualquer mortal em beldade, És de Citera a deidade, Ou são quatro as belas graças. Com a...
(Para um álbum) Eu engenho não tenho sublime, Que te possa o que sinto, expressar; Minha lira não tem a doçura, Com que deve teus dotes cantar. Para dizer-te somente, que és bela, Não se hão de meus l...
Amor! teu nome querido Quanto é doce proferir! Mas quanto não é mais doce No coração te sentir! Nume, que as almas abrasas Com a chama dos fogos teus; Imensa como o oceano, Infinita como Deus! Não ser...
É um dos milagres cie amor o fazer que achemos prazer no sofrimento, e olharíamos como a maior desgraça, um estado de indiferença e de esquecimento, que nos tirasse todo o sentimento de nossas penas....
(Aos anos do Sr. Visconde da Pedra Branca) Se falta o estro, o coração sobeja; A bem do coração desculpa o canto. V. da Pedra Branca. O pó, que toda a envolvia, Da lira fui sacudir, E as cordas enferr...
Como tu és. Angelina és tão formosa, Como a rosa Em fresca aurora de estio; És pura como a corrente, Transparente, Do mais cristalino rio. És qual estrela brilhante, Rutilante, No Armamento azulado; F...
(A Angelina) Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, Assim e que são; Às vezes luzindo serenos, tranquilos, Às vezes vulcão. A. G. Dias. Estrelas, que bordais o véu da noite, O que sois, que vale...
Por que estás tão apressado, Coração, a palpitar? Queres, deixando meu peito, Por esses ares voar? Queres do meu pensamento A carreira acompanhar? Queres, misero insensato, Este desejo cumprir? Intent...
Para mim és tu só o universo; Soe embora o bulício do mundo; Que este existe somente, onde existes: Tudo o mais é um ermo profundo. A. Herculano. Por que não me acreditaste? Por que duvidas de mim? Na...
(À Angelina) Fui, Angelina querida, De amizade estremecida Na bela corda tocar; Mas, por mais que desejasse, Nunca um som, que me agradasse. Pude da lira tirar! Angelina, a minha lira, Triste, mui tri...
O tosco produto de mente acanhada Quiseste num canto sublime exaltar; Ao som desacorde de lira tão rude Harmônico acento quiseste chamar. Teu gênio inspirado, que ao céu se remonta, Que, estrela formo...
(Ao A. F. Colin) Deu-te o Senhor uma lira, Que suspira Com seráfica doçura; Deu-te o mimo mais querido, Mais subido, Que dar pode à criatura. Quando os meigos sons desata, Arrebata, Extasia os coraçõe...
(À Elisa) Ela foi-se, e com ela foi minha alma. Não roce os lábios meus nem mais um riso; Meu terno coração ralai, saudades! Bocage. Já realizados, Elisa, Vejo os temores que eu tinha: Tu partiste, me...
— Donde vens, viajor? — De longe venho. — Que viste? — Muitas terras. — E qual delas Mais te soube agradar? — São todas belas; Fundas recordações de todas tenho. — E admiraste o que? — Ah! onde as flo...
Gentil florinha mimosa, Que desabrochas viçosa, És oriunda do céu? Quem te deu esse perfume, Que ao jasmim causa ciúme? Quem tal feitiço te deu? Foi de Deus a destra santa, Que deu-te meiguice tanta,...
Que preceito tirano me impede De voar pressurosa a teus lares? De poder, na ventura de ouvir-te, Extinguir da saudade os pesares? Da saudade tão viva e profunda, Que, qual serpe, minha alma envenena;...
De novo, pátria querida, Te ouvindo aflita gemer, Minha lira, entristecida, Vem partilhar teu sofrer; Sim, de novo vem provar-te Que o sentimento de amar-te, Inato em meu coração, Embora volvam os ano...
Careço de li, meu anjo, Careço do teu amor, Como da gota do orvalho Carece no prado a flor. G. Dias. Lembra-te a hora bendita Em que o nume, com carinho, Te derramou na minha alma Como a sombra no cam...
Por que estás assim queixosa, Qual triste lamentação, Que sobre a campa do morto Solta aflito coração? Por que suspiras, fontinha, Por que gemes, pobrezinha? Temes que desta montanha, Em cuja base mur...
(Ao Sr. Visconde da Pedra Branca) Que chuva, querido amigo, Tão importuna e tão má! Ah! quanto nos contraria, Não te deixando vir cá! Cada noite, ao recolher-me, Sinto fagueira esperança De que a manh...
Do que gosto. Eu gosto de ver o mar azulado Douradas areias sereno banhar; Eu gosto de vê-lo bramir iracundo E sobre rochedos a fúria quebrar. Eu gosto de ver um céu de safiras, Um céu de janeiro com...
(Ao Sr. Visconde da Pedra Brinca) Deus singelos postiguinhos Fez-te Angelina notar; Dizendo que eu os amava, Também os quiseste amar. Se o meu amor conhecendo, Deles tanto gostas já; Sabendo o que vou...
Anjo, que sempre me guardaste na alma, Nítida a palma de infinito amor, Oh! quanto esta alma não tornaste bela, Plantando nela da poesia a flor! Que flor mimosa, perfumada e pura! Quanta doçura me não...
Lendo teus versos mimosos, Primos cantos maviosos, Ao Senhor graças rendi; Sim, fiquei-lhe agradecida Por dar-te o berço da vida No país onde eu nasci. No teu canto há tal brandura, Há tão melíflua do...
(A meu irmão J. B. de Castro Rebelo) De teu belo natal prazenteiro Vi o dia feliz despontar; Vi a aurora no vasto horizonte, Mais formosa que nunca, assomar. Era linda, qual rósea capela Sobre a front...
(Imitação) Se é triste, no inverno úmido e frio, Ver a aurora gentil, crepes vestindo, Oculto em véu nublado o rosto lindo, Carpir saudades do formoso estio; Se é triste ver a fonte, ver o rio Essa do...
Se eu fora da Trácia o Vate sublime, A lira afinara para só te cantar; Se eu fora o pintor de Itália famoso, Quisera o teu rosto para mim copiar. Se eu fora a fontinha, que corre indolente, E sobre co...
Já o sol esconde a fronte Por detrás de altivo monte, Deixando lá no horizonte Vestígios do seu fulgor; Já nessas nuvens douradas, Nessas fitas abrasadas, Deixa as ardentes pegadas Do seu ardente espl...
Que lindo sonho que eu tive Esta noite em meu dormir! Oh! quem me dera que os sonhos Não costumasse mentir. Por que não fiquei dormindo, Se estava um sonho tão lindo Meu coração a embalar? Por que ess...
(No aniversário de seu natalício) Mais terno canta o sabiá flautado; Veste-se o prado de melhor matiz; Mais dos regatos o cristal se alisa; Mais doce a brisa seus amores diz. Mais bela é a flor, e mai...
(No seu álbum) Uma flor, por mim plantada, Queres aqui, de poesia; Mas onde achá-la, se o gênio Essa flor somente cria? Houve tempo, em que das musas Fui docemente afagada; Hoje debalde as invoco; Com...
Estavas, bela Júlia, descansada, Na flor da juventude e formosura, Desfrutando as carícias e ternura Da mãe que por ti era idolatrada. A dita de por todos ser amada Gozavas, sem prever tua alma pura,...
(Em resposta à poesia “A Madrugada”, do Sr. João de Lemos) Quando tu, luso cantor, Na tua lira dourada Modulaste com primor Uma linda — madrugada, Por que dizer não quiseste, Que a aurora que descreve...
(A morte do Sr. Visconde da Pedra Branca) Não morreu! volveu só a terra à terra! O que era frágil cinza, a sepultura No avaro seio para sempre se encerra! Mendes Leal. I Cortada pelos gemidos, Pelos s...
(Ao Sr. Visconde da Pedra Branca) Não sei se acredite, se vá duvidando Que os olhos não mentem. J. Palma. Uma pergunta fizeste-me, A qual não sei responder; Tu pretendes que te explique O que mal poss...
(À Angelina) O que te diz, doce amiga, O que te diz essa estrela, Que em tuas longas vigílias Sempre te ri, meiga e bela? Essa estrela que, mimosa, No firmamento fulgura; Em que fitas meigos olhos, Re...
Formosa estrela de Itália, Que vieste, do Brasil O céu, tão cheio de encantos, Tornar inda mais gentil; Que deixaste o velho mundo, Suas grandezas, seu povo, Para vir noutro hemisfério Aditar um mundo...
(A Angelina) Eu quisera dizer-te, meu anjo, Quanto és por minha alma adorada; Eu quisera mostrar-te que trago Tua imagem no peito gravada. Eu quisera, que a sabia natura Seus primores para ti reservas...
Saudade! gosto amargo de infelizes, Delicioso pungir de acerbo espinho, Que me estás repassando o íntimo peito Com dor, que os seios de alma dilacera, — Mas dor que tem prazeres. Garret: Poema “Camões...
Teu ar merencório, ó noite querida, Agrada infinito ao meu coração; Que as tristes ideias, que a mente me ocupam, Casar melhor vejo com a tua solidão. Apenas desdobras teu manto de anil, Assim recamad...
A njo, que me apareceste N esta vida de aflição, G ênio bom, que me puseste E sta fé no coração, L inda estrela, que fulguras, I nveja causando às mais, N o teu éden de venturas A caso escutas meus ai...
Uns olhos cantaste, Adélia, Em versos tão primorosos, Que deixaste os olhos todos, Desses olhos invejosos. Esses olhos, que cantaste Na lira que o mesmo Apolo, Arrebatado do canto, Veio pendurar-te ao...
(A meu pai) A ti, Pai, fui uma graça Com timidez implorar; Mas, de vê-la indeferida, Tive o profundo pesar. Temendo desagradar-te, Se o pedido renovasse, Roguei a Deus que a maneira De te mover me ins...
(À Angelina) Eu te amo, porque és bela, E singela Como a estrela Do matinal, primo albor, Quando, a aurora aparecendo, Vai perdendo, Vai perdendo o seu fulgor. Porque és como a fonte pura, Que murmura...
(À Elisa) Tu, Elisa, te vais e me deixas, E me deixas profunda saudade; Sem querer, despedaças o peito, Que te vota a mais santa amizade. Quando penso que vais, minha Elisa, Habitar tão distante de mi...
(No seu álbum) Não foi, querida Angelina, A formosura divina, Tão mimosa e peregrina, Que em tua face se ostenta, Que fez nascer no meu peito O sentimento perfeito, Pelo Senhor tão aceito, Que cada ve...